Zemiologia

Zemiologia

Definição

Trata-se da ciência que estuda o dano social e que se encontra em relevante ascensão perante o saber criminológico, apresentando não apenas o conceito de dano, mas também o de perda, sendo possível fazer uma associação com uma desvantagem causada pelas ações de outro.

Aspectos distintivos

Um interesse de criminologistas pela ciência, quiçá um pouco mais provocativa e esperançosa que é a zemiologia, tem se mostrado frutífero no campo teórico. O reforço constante da categoria "crime", principal e surpreendentemente por parte da escola crítica – que outrora nos fazia perceber crimes em lugares além da miséria e da negritude, apontando ainda o encarceramento em massa e a necessária responsabilização estatal – causa desgaste teórico e, possivelmente, esgotamento da criminologia. Desse modo, o guarda-chuva do dano, capaz de conceber prejuízos que vão além de tipos penais e de agentes humanos, parece se erguer com uma suposta capacidade de expansão dos horizontes para um além ou pós-criminologia.

A palavra grega zemia abrange mais significados que a inglesa harm, que por sua vez é mais dotada do que o dano do léxico português, de modo que a primeira encaixa em seu significado a perda injusta, o próprio cometimento de injustiça e até mesmo uma punição nos sentidos preventivo e reformativo. Para compreender a zemiologia como estudo do dano social é necessário compreender o status quo e o sistema capitalista enquanto perpetuador de desigualdades, com uma consciência de que, por falha de tradução ou apenas falta de melhor termo, ela não se esgota em "dano social".

Por fim, a zemiologia, pode-se dizer, guarda uma relação mais próxima com necessidades humanas, sendo capaz de entender longos processos de dano social, do que com direitos, normativas e padronizações das quais se encarrega(ria)m a criminologia e o direito.

Análise

Uma análise acurada da ciência zemiológica requer a compreensão de que esta é considerada relativamente jovem (visto que começou a se desenvolver nos anos 1990), e não tem se destacado tanto por seu caráter propositivo para a prática.

A meu ver, um dos principais questionamentos é se a zemiologia está dentro da criminologia, caracterizando mais uma escola de pensamento, ou se seu desenvolvimento de fato ultrapassa os parâmetros criminológicos que conhecemos, trazendo novos fatos e pensamentos para os holofotes. Do mesmo modo, é possível argumentar que o dano esteja numa posição central em relação ao crime, afinal a tipificação e a capacidade estatal de proteger o cidadão não se estabeleceram em vão.

Conquanto, das quatro possibilidades apresentadas pelos principais autores acerca da emergência da zemiologia (em oposição direta à criminologia; paralela, mas separada da criminologia, explorando dano como aquela explora crime; operando em conjunto com a criminologia e recalibrando o foco compartilhado; desmanchando barreiras entre crime e dano, e entre criminologia e zemiologia), a primeira e a terceira parecem se destacar. Há uma fissura – grupos de criminologistas que não veem razão de ser na zemiologia, e zemiologistas que recusam associações com a criminologia –, mas há também a promissora proposta de integração, possivelmente capaz de suprir o crime (objeto) que carece de razão ontológica e o dano (objeto) sem rigor de definição. Mesmo a junção das ciências, unidas pela capacidade de vislumbrar e desafiar um sistema que opera através de estruturas de poder e desigualdade, só parece ser plausível quando capaz de se expandir para fora do academicismo.

Referências bibliográficas

BOUKLI, Avi; KOTZÉ, Justin (eds.). Zemiology: reconnecting crime and social harm. London: Palgrave Macmillan, 2018. Critical Criminological Perspectives.
GREEN, Simon; JOHNSTONE, Gerry; LAMBERT, Craig. "What harm, whose justice?: excavating the restorative movement", Contemporary Justice Review 16(4), p. 445-460, 2013.
HILLYARD, Paddy; PANTAZIS, Christina; TOMBS, Steve; GORDON, Dave (orgs.). Beyond Criminology: taking harm seriously. London: Pluto Press, 2004.
LASSLETT, Kristian. "Crime or social harm? A dialetical perspective", Crime, Law and Social Change, v. 54, n. 1, 2010. p. 1-19.
MORRISON, 2012 apud SARMIENTO, Camilo Ernesto Bernal et al. "Para além da criminologia. um debate epistemológico sobre o dano social, os crimes internacionais e os delitos dos mercados", Revista Brasileira de Direito, v. 13, n. 3, 2017. p. 40-79.

Referências artísticas

Roger & Me (Michael Moore, 1989)
Documentário
No fim da década de 1980 o fechamento de onze fábricas da General Motors em Flint, Michigan, deixou cerca de trinta mil pessoas desempregadas. Michael Moore tenta encontrar o presidente da empresa, Roger Smith, para ouvir o que ele tem a dizer sobre isso.

Cidade De Deus – 10 anos depois (Cavi Borges e Luciano Vidigal, 2013)
Documentário
Dez anos após "Cidade de Deus", este documentário reúne parte do elenco e da equipe de produção para investigar o rumo que suas vidas tomaram desde então.

Grenfell (Ben Anthony, 2017)
Documentário
Dois anos após o incêndio do prédio Grenfell, o documentário apresenta a história do fato e suas trágicas consequências, fazendo uso de variadas perspectivas e nas palavras daqueles que foram diretamente afetados. [Assista aqui.]

Jéssica Veleda Quevedo
Lattes | ORCID